• Lidice Meyer

O legado desconhecido das Reformadoras do séc. XVI


Já se passaram 503 anos do dia histórico em que o monge Martinho Lutero, inconformado com tantos desmandos na Igreja Cristã tornou público seu descontentamento afixando-o na porta da Igreja de Wittenberg, sistematizado em 95 teses. Este dia mudou drasticamente a história do cristianismo sendo o marco inicial do grande cisma que dividiria a Igreja em dois segmentos: católicos e protestantes.

O descontentamento de Lutero encontrou eco em humanistas, religiosos e governantes de seu tempo. Ficaram registrados na história da Reforma nomes como de Lutero, Calvino, Melanchton e Jonh Huss enquanto que Katharina von Bora, Caritas Pirckheimer, Argula Stauff von Grumbach, Elisabeth von Calenberg e Elisabeth Schütz Zell dentre outras foram praticamente esquecidas. Apesar disto podemos afirmar que a reforma não teria sido possível sem a atuação das mulheres.

O livro de Lutero “Da Liberdade Cristã” trouxe a base necessária para que homens e mulheres exercessem o sacerdócio geral dos crentes. Mulheres religiosas e leigas passaram a se envolver diretamente com as questões políticas e teológicas de seu tempo. Elisabeth von Calenberg-Göttingen, duquesa de Braunschweig-Lüneburg introduziu o protestantismo na Baixa Saxônia, além de ter escrito livros de teologia e composto hinos. Amiga pessoal de Lutero, que lhe presenteou com uma Bíblia com dedicatória pessoal, e de Melanchton, que escreveu: “Elisabeth governou esta igreja com um coração materno, suave e doce, alimentada e nutrida pelo evangelho.”

A imprensa recém inventada permitiu a divulgação das ideias reformadas através dos livros e cartas panfletárias que eram lidas nos mercados e púlpitos das igrejas. Quando em 1522 foi proibida a divulgação de qualquer texto de Lutero em toda a Baviera, Argula Stauff von Grumbach não se deixou intimidar e publicou sua primeira carta panfletária. O texto foi rapidamente reproduzido em muitas outras cidades e reinos. Argula publicou mais oito cartas, correspondeu-se com Melanchton e com Lutero que a chamou de “um instrumento especial de Cristo”.

Katharina Schütz Zell era casada com um pastor, ex-padre. Seu marido a tratava como pastora assistente e por várias vezes pregou em público. Considerada mãe da igreja, hospedou frequentemente os reformadores, deu aconselhamento pastoral às esposas dos reformadores, escreveu textos teológicos e hinos, e lutou por uma relação de igualdade entre homens e mulheres.

Apesar de muitas mulheres terem atuado na composição musical, Elisabeth von Meseriz Cruciger é considerada a primeira compositora do protestantismo, tendo um de seus hinos sido incluído por Lutero no hinário protestante em Wittenberg.

Dois casos de ex-freiras convertidas mostram a liberdade alcançada pelas mulheres após a Reforma. Embora Lutero se opusesse a continuidade dos mosteiros e conventos, Caritas Pirckheimer o convenceu de que algumas freiras não almejavam o casamento e sentiam-se bem na vida monástica. Assim, instituiu-se a primeiro convento protestante sob a liderança da abadessa Caritas. Por outro lado, outras ex-freiras optaram por casar-se e constituir família. Entre elas estava Katharina von Bora que audaciosamente propôs casar-se com Lutero, tornando-se sua parceira e companheira nas discussões teológicas com estudantes e reformadores, e a quem se referia como: doutora, pregadora de Wittenberg, a luterana, entre muitos outros termos carinhosos.

Estas mulheres são apenas uma tênue imagem da atuação e importância das mulheres no movimento da Reforma. Uma história que nos dias de hoje se reveste de mais relevância dado os debates atuais e acalorados sobre o papel da mulher na igreja protestante. Talvez ainda tenhamos muito que aprender com nossa própria história.

114 visualizações
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now